Glicação: Como o açúcar promove o envelhecimento precoce?

O envelhecimento é um processo biológico, complexo e contínuo, que se caracteriza principalmente por alterações celulares e moleculares. Estas alterações atuam no DNA celular, onde ocorre modificação do material genético através da ação de enzimas, desencadeando o envelhecimento cutâneo. Nessa reação, os fibroblastos, células presentes na derme e que são responsáveis pela produção de colágeno, se reproduzem mais lentamente, e o sistema de defesa da pele tem sua função diminuída. Um dos fenômenos que auxiliam no processo de envelhecimento é a Glicação. 

Glicação: Como o açúcar promove o envelhecimento precoce?

Mas o que é Glicação do colágeno?

Para explicar como ocorre o processo de Glicação, vamos começar falando dos alimentos… o que têm em comum a cor escura do pão torrado, o gratinado da lasanha, a calda caramelizada do pudim ou o dourado da batata frita?

Pudim | Mas o que é Glicação do colágeno?
Torrada | Mas o que é Glicação do colágeno?

Na verdade todos esses alimentos que compõem o dia a dia de nossa mesa são verdadeiras fábricas de  AGEs (Advanced Glycation End Products)  traduzindo, Produtos Finais da Glicação Avançada.

A glicação é um processo em que moléculas de glicose se unem a proteínas modificando suas funções biológicas através da formação dos AGEs que, assim como os radicais livres, provocam diferentes tipos de danos teciduais.

Como os AGES se formam?

A molécula de glicose pode ligar-se a estrutura de proteínas (como o colágeno), através de uma reação não enzimática denominada reação de Maillard ou glicação. A glicação é uma modificação de proteínas que resulta da reação entre um açúcar (ex. ribose ou frutose) e aminas livres de aminoácidos da proteína (colágeno), alterando sua estrutura e função. 

No estágio inicial a glicose ou outros açúcares reagem com radicais amina presentes em proteínas formando uma Base Schiff. Esta por sua vez, passa por um rearranjo gerando os “Produto de Amadori”. 

Logo depois, os produtos de Amadori passam por reações de oxidação e desidratação levando a formação de compostos intermediários. Estes produtos intermediários são mais reativos que seus precursores e atuam propagando reações com grupos amina livres de proteínas. No estágio final, estes produtos interagem com grupamentos amina e através de reações formam compostos insolúveis e irreversíveis, denominados Produtos Finais de Glicação Avançada (AGEs), que se acumulam nas proteínas de forma estável e levam a lesões nas células, e também na pele.

Uma dieta com alto consumo de açúcares e carboidratos, que também viram açúcar dentro do corpo, tem um potencial altamente inflamatório e acelera o envelhecimento da pele através de um processo denominado glicação.

Na pele, essa glicação é responsável pela degradação e desorganização das fibras de colágeno e elastina, resultando na perda de firmeza, elasticidade, levando a uma pele flácida, com rugas e linhas de expressão. Têm sido apontado como um dos fatores responsáveis pela perda de elasticidade e deficiência de cicatrização da pele.

Embora a glicação ocorra em todas as pessoas, seus efeitos são mais acentuados em quem faz dietas hipercalóricas e com excesso de açúcares e carboidratos de alto índice glicêmico, que são aqueles carboidratos convertidos mais rapidamente em glicose, a exemplo dos alimentos derivados da farinha de trigo. E também nos pacientes diabéticos. 

Entre os 20 e 60 anos, os produtos de glicação avançada- AGEs- sofrem um acúmulo significante podendo exceder a capacidade do organismo em degradar essas glicotoxinas. Fatores como a composição em nutrientes e o processamento em duração e temperatura de um alimento podem afetar ou alterar a formação das glicotoxinas do organismo. 

Os AGEs (Advanced Glycation end Productst) se acumulam e são capazer de gerar diferentes patologias, induzindo mortes celulares, alteração de receptores de membrana e alteração de estrutura e de função celular. Com o passar do tempo a concentração de AGEs acelera o envelhecimento, devido a morte celular dos fibroblastos, responsáveis pela formação de fibras colágenas e elásticas. Além disso, os AGEs são formados endogenamente durante a hiperglicemia e estresse oxidativo e de forma exógena através da alimentação e tabagismo. Ainda é descrito que estes produtos estão envolvidos na formação de doenças crônicas, tais como diabetes, doença renal, gerando estresse oxidativo devido ao aumento da inflamação.

Por isso, uma dieta bem orientada com restrição de açúcar e de baixo índice glicêmico, ou seja com alimentos que não causam picos de glicose no sangue, são a melhor forma de frear a glicação. 

Uma alternativa é também utilizar na sua rotina de Skincare dermocosméticos (uso tópico) ou nutricosméticos (uso oral) que tenham a capacidade de impedir o açúcar de se ligar às proteínas (ação antiglicante) e/ou de desligar o açúcar da proteína (ação deglicante). Cosméticos contendo ativos antiglicantes são bem indicados para combater o envelhecimento precoce e nutricosméticos ricos em antioxidantes também vão potencializar esta ação. 

Fique de olho nas dicas para manter uma pele saudável e fugir do envelhecimento precoce.

Younger Derm Care

Referências

1 – Pujol A. P. Nutrição aplicada a estética, 2ª edição, 2020.

2 – Souza S. F., Araujo K., Isenseea D. Revisão de literatura sobre o envelhecimento da pele através da Glicação. XII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba.

3 – Gasser, P.; Arnold, F. et al; Glycation induction and antiglycation activity of skin care ingredients on living human skin explants. International Journal Of Cosmetic Science – Vol.33 P.366-370; 2011.

4 – Barbosa, J. H.; Oliveira, S. L. Produtos de Glicação Avançada (AGES) dietéticos e as complicações do diabetes. Ver. Nutrição vol. 22 Campinas/ SP, 2009.

5 – Pennacchi, P. C. Desenvolvimento de Pele Humana Reconstruída Contendo Equivalente Dérmico Glicado na Avaliação da Eficácia e Toxicidade de Compostos anti-glicação. São Paulo, 2016.

3 comentários em “Glicação: Como o açúcar promove o envelhecimento precoce?”

  1. Pingback: Picolinato de cromo: Adeus, vontade de comer doce

  2. Pingback: O que causa celulite? Aprenda a prevenir e tratar esse problema

  3. Pingback: Elastina: A Proteína-Chave para uma Pele Flexível e Jovem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *